skip to Main Content
Capa Do Post De Melhores Do Ano (2020).

Os melhores produtos de 2020: nossas escolhas

Uma lista com os “melhores produtos de 2020” seria impossível de realizar, uma vez que cada pessoa traz características próprias e gostos particulares. Mesmo assim, decidimos reunir nossa equipe de redatores para uma seleção especial de fim de ano.

Cada um escolheu seus produtos preferidos, aqueles que marcariam presença nas listas de desejos de todos os amigos-secretos sorteados. Espere encontrar de tudo: de eletrônicos a filmes, passando por pacotes de ração para pets, acessórios para exercícios físicos e, como não poderia faltar, uma ótima curadoria de livros. No estilo gift guide, você pode encarar estas dicas como uma curadoria de ideias para presentes.

Das lições que vão ficar desse ano, uma das mais diretas talvez seja a evolução das compras online. Dentre os mais de 120 conteúdos publicados no site até hoje, já cobrimos uma variedade grande de itens, todos disponíveis em e-commerces.

Com sistemas de pagamentos digitais cada vez mais difundidos, fica fácil experimentar e adquirir esses produtos. No entanto, estamos em uma época propícia para analisar e refletir sobre os motivos pelos quais compramos.

Que 2021 seja um ano de compras mais conscientes, munidas do máximo de informações possível antes da tomada de decisão – e que nossos conteúdos possam ajudar um pouco nessa tarefa. Boa leitura!

As escolhas da Carla 

Este top 5 de produtos nada mais é do que um reflexo da adaptação a 2020. Em uma lista bastante eclética, reuni itens que passaram ser importantes nessa nova realidade de pandemia e de maior permanência em casa. Quer saber quais são?

Mini band

Mini band Vollo (kit com 3)
Mini band Vollo: três faixas de diferentes intensidades. Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Com espaços de treinamentos fechados pela pandemia, a saída foi treinar em casa, com equipamentos pequenos e fáceis de guardar. As mini bands, ou faixas elásticas, salvaram muita gente de ficar parado na quarentena. 

Este conjunto de mini bands da Vollo vem com três faixas elásticas de intensidades diferentes que possibilitam a realização de exercícios de diversos grupos musculares. 

Em casa, as mini bands podem ser usadas em diferentes exercícios, veja alguns:

  • Agachamentos
  • Afundo
  • 4 apoios
  • Elevação de quadril
  • Flexão de quadril
  • Extensão de quadril
  • Abdutor e adutor
  • Flexão plantar
  • Prancha
  • Pulldown lateral na parede
  • Tríceps
  • Rosca
  • Rotação de ombro

Mochila de hidratação

Mochila de hidratação Camelbak.
Mochila de hidratação: solução na pandemia para longas distâncias. Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com (modelo semelhante)

A pandemia tornou a corrida, um esporte individual, ainda mais solitário. Sem o suporte das assessorias e com a recomendação de treinar sozinho, a hidratação passou a ser um grande desafio, exigindo planejamento, especialmente nas longas distâncias. 

Foi assim que a mochila de hidratação, companheira há tempos de ciclistas e de corredores de trilha, passou a ser uma alternativa para quem treina em asfalto. Com ela, você sai de casa com o volume de água necessário para não correr o risco de se desidratar e nem de “quebrar” no longão.

O modelo Hydrobak da Camelbak é compacto e tem capacidade para 1,5 litro de água. Tem bolso com zíper para acomodar objetos pessoais, o reservatório de água é removível e entrega 20% mais líquido por gole para uma hidratação rápida. As alças da mochila são ergonômicas e não incomodam. A parte traseira é revestida em mesh respirável. 

Especificações

Medidas: 32 cm x 21,5 cm x 10 cm

Peso: 150 g

Reservatório: BPA free

Aspirador robô

Aspirador robô.
Aspirador robô iRobot Roomba 960: aspira piso frio, madeira e tapete. Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Um dos grandes gadgets do ano, o aspirador robô automatiza tarefas domésticas para que você se dedique a outras atividades. Os modelos básicos sugam a poeira, mas os mais avançados aspiram e passam pano. 

As versões mais completas contam com sensores infravermelhos, mapeiam a casa e são controladas remotamente por aplicativo e assistentes de voz, como Alexa e Google Assistente. 

A iRobot é uma das marcas mais relevantes da área de robótica, e o modelo Roomba 960 foi eleito uma das melhores compras do segmento em 2019 pela PCMag, publicação especializada em informática.  

O Roomba 960 conta com sensores que mapeiam os ambientes, dirige-se à base de carregamento automaticamente, limpa diversos tipos de pisos (madeira, tapete e piso frio), tem sensores antiqueda e é controlado por aplicativo e comando de voz.

Kit de automação residencial 

Kit de automação residencial Positivo.
Kit Casa Conectada: controle universal, lâmpada e plug. Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Automatizar a casa vem se tornando um desejo cada vez mais acessível. A Positivo é uma das empresas que tem se dedicado ao segmento no Brasil, lançando produtos de bom custo-benefício e com conectividade consistente. 

O Kit Casa Conectada, que está entre os best sellers da marca, permite controlar remotamente aparelhos eletrônicos e iluminação. O smart controle universal funciona como um substituto dos controles remotos tradicionais da televisão e do ar-condicionado, podendo ser comandados por voz (Alexa e Google Assistente) ou por aplicativo. 

A smart lâmpada Wi-Fi em LED tem consumo de 9W, fluxo luminoso de 806 lúmens e 16 milhões de cores. Embora entregue boa luminosidade, não substitui a fonte principal de iluminação do quarto ou da sala, e se apresenta mais com uma opção decorativa ou para leitura. 

O smart plug Wi-Fi permite ligar e desligar aparelhos eletrônicos por aplicativo. A automação se aplica a liquidificadores, cafeteiras, torradeiras, micro-ondas, ferros de passar roupa, entre outros eletroportáteis.

O encantador de gatos: o guia definitivo para a vida com seu felino

Jackson Galaxy, especialista em comportamento felino, ensina o beabá da convivência entre humanos e gatos – aflorada em tempos de home office. O livro é um guia fantástico e recomendado tanto para tutores experientes quanto de primeira viagem.

Quem acompanha Galaxy no programa “Meu Gato Endiabrado”, exibido pelo Animal Planet, sabe que o convívio pode ser um desafio, mas que é facilmente superado se o bichano estiver saudável, feliz e confiante para expressar seus instintos.

Dividido em quatro seções, o livro traz informações que nos ajudam a entender como os gatos se comunicam e o que nos tentam “dizer” a partir de miados, ronronados e da linguagem corporal, além de instruir como gatificar o ambiente. 

Também dedica espaço para solução de problemas que envolvem gatos que não se dão bem, animais que arranham móveis, eliminação fora da caixa de areia e comportamentos ansiosos e carentes. 

Capa do livro O encantador de gatos.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Título: O encantador de gatos: o guia definitivo para a vida com seu felino
Autores: Jackson Galaxy e Mikel Delgado
Editora: BestSeller
Páginas: 392
Nota no Skoob: 4.5/5

As escolhas da Caroline

Chegou a minha vez! Prazer, eu sou a Carol! Me formei em jornalismo, sou estudante de Letras, moro sozinha, trabalho como produtora de conteúdo e dou dicas aqui no Opiniões Certificadas sobre livros, eletrodomésticos, tecnologia, gatinhos e muito mais. Listei as minhas cinco aquisições favoritas de 2020, olha só:

Chinelo Minnie

Os personagens de desenhos que mais marcaram a minha infância, sem dúvidas, foram os da Disney, inclusive Mickey Mouse e sua companheira Minnie. 

Não por acaso, um dos meus favoritos de 2020 é este chinelo Slim da marca Havaianas com bolinhas brancas, na cor vermelha, e ilustrações da Minnie.

Apenas duas palavras definem esse chinelo Minnie: conforto e fofura! 

Havaianas da Minnie.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Aspirador de pó

2020 foi um ano de muitas mudanças – literalmente –, já que eu saí da casa dos meus pais e estou morando sozinha e com os boletos. Com isso, a paixão e a necessidade por eletrônicos e eletrodomésticos foi surgindo. 

Uma das minhas primeiras aquisições foi o aspirador de pó vertical Rapid Turbo PH1100 da Philco. Como eu moro em kitnet, ele é de fácil armazenamento, pois não ocupa muito espaço; conta com um compartilhamento de pó de 1 litro; pode ser lavado; e tem um cordão elétrico de 5 metros.

Aposentei definitivamente a vassoura e não abro mão deste aspirador de pó vertical Philco por nada neste mundo!

Aspirador de pó vertical.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Canetas Point 88 

Se você é do tipo que ama canetas, bloquinhos, post-its, marca-textos, adesivos e todos outros itens fofos de papelaria, toca aqui! Uma grande paixão são as canetas da Stabilo, especificamente as Point 88.

Para quem gosta de canetas com ponta extra-fina, elas são super recomendadas, já que possuem ponta com 0,4 mm; além disso, têm tinta à base d’água e longa duração.

É possível encontrar kits de canetas Stabilo de quantidades e valores variados no site da Amazon.

Kit de canetas coloridas.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Máquina de lavar roupas

Como já te contei, estou morando sozinha e, nesta odisseia, a melhor compra, sem dúvidas, foi a da tão sonhada máquina de lavar! Contudo, não foi fácil encontrar o aparelho perfeito.

Busquei por um eletrodoméstico que coubesse no meu orçamento e correspondesse bem às minhas expectativas, além de estar disponível na voltagem atual da minha residência – 220 volts.

A melhor que encontrei nas minhas pesquisas foi a Consul CWH11AB. A que eu escolhi tem capacidade para 11 kg, mas é possível encontrar um modelo de 9 kg, também.

Até agora, ela não me deu nenhum trabalho e cumpre com o prometido: entrega roupas bem limpinhas e cheirosas em pouco tempo; além de ser bem prática, já que conta com um painel bem simples e funcional. 

Ah, e o manual de instruções é perfeito, bem detalhadinho, capaz de sanar todas as dúvidas sobre o funcionamento do aparelho.

Máquina de lavar Consul.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Climatizador de ar

Em 2020, muitos lugares do Brasil registraram altas temperaturas. Por aqui, a única alternativa foi comprar um climatizador, enquanto o Papai Noel não traz um arcondicionado.

Quando decidi que iria adquirir um, sabia que não queria um aparelho “mirradinho”, com pouca capacidade de água – para não correr o risco dela acabar durante o sono e prejudicar o motor, como já vi acontecendo com muitas pessoas. 

Então, encontrei este modelo Breeze da Cadence e só posso dizer uma coisa: estamos em um relacionamento sério até que algum bug elétrico nos separe!

Ele possui apenas três modos de ventilação (baixa, média e alta); as aletas verticais se movimentam quando a opção oscilar está ligada; você consegue controlar as aletas horizontais manualmente; há também a função resfriar, que pode ser ativada sempre que o reservatório com capacidade para 5,3 litros de água estiver cheio.

O mais legal são os dois recipientes em gel que podem ser congelados e colocados no reservatório para ajudar no refrescamento da água e, consequentemente, na umidificação do ambiente.

Ele também tem alças e rodinhas deslizantes. Pena que não tem asas, se não eu levaria comigo para todos os lugares!

Climatizador de ar Cadence.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

As escolhas da Raquel

Desde 2019 eu tenho repensado muito o consumo e como fazer isso com consciência e certeza, sem ser aquele tipo de compra impulsiva. Em 2020, o período de pandemia me fez ver como essa atitude é essencial e que, muitas vezes, a gente nem precisa assim de tantas coisas. 

Portanto, todas as minhas compras deste ano foram objetos que fizeram e fazem muito sentido para mim e sei que poderão ser utilizados por um longo prazo. Os meus critérios de escolha foram a qualidade, quantidade de vezes que eu iria utilizar e o benefício do produto para a minha saúde e bem-estar. 

Os meus favoritos vão desde um protetor solar de toque seco até um jogo de panelas da Tramontina.

Tapete de yoga

Uma das minhas melhores compras de 2020 foi o tapete de yoga. Ao passar mais tempo em casa durante a pandemia, eu senti a necessidade de começar a me exercitar e procurar por algo que me ajudasse a relaxar e a diminuir a ansiedade. 

Eu já havia praticado yoga antes, mas senti que este seria o momento ideal para voltar. No início, quando decidi regressar às práticas, eu usava um edredom ou manta para improvisar a ausência do tapetinho, até chegar o momento que eu percebi que não estava dando muito certo. 

O tapete de yoga, além de ser ótimo para a prática, também pode ser usado em outros tipos de exercícios, e até mesmo para deitar e relaxar, já que ele é bem macio e confortável.

O meu, eu escolhi com a alça para carregar, pois, para quem anda de bicicleta, a pé ou de moto, ela facilita muito no transporte e ainda mantém o tapete enrolado corretamente. 

Aliás, vou aproveitar e dar uma dica de canal para quem quer experimentar yoga em casa! O canal da Pri Leite Yoga tem diversos tipos de práticas, incluindo para iniciantes. Você pode assinar a newsletter dela e receber um calendário de aulas que ela disponibiliza gratuitamente todo mês. Incrível, não?

Tapete de yoga.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Jogo de panelas

Meu segundo favorito de 2020 é este maravilhoso jogo de panelas Tramontina com dez peças. Se você quer juntar as trouxas com o seu par ou simplesmente deseja renovar as panelas da cozinha, tenho certeza que você vai adorar esse conjunto. 

É importante ressaltar que as panelas, formas e assadeiras não são muito grandes. Portanto, se a sua família for bem numerosa, talvez esta não seja a melhor opção. Mas se você vive em até três pessoas, acredito que vá servir muito bem. 

Este jogo de panelas Tramontina é composto por:

  • 1 caçarola de 18cm com capacidade de 2l
  • 1 caçarola de 20cm com capacidade de 2,8l
  • 1 panela de 16cm com capacidade de 1,4l
  • 1 panela de 18cm com capacidade de 2l
  • 1 frigideira de 16cm com capacidade de 0,4l
  • 1 frigideira de 20cm com capacidade de 0,8l
  • 1 panquequeira de 22cm com capacidade de 0,6l
  • 1 forma de bolo/torta de 24cm com capacidade de 1,4l
  • 1 assadeira rasa de 28cm com capacidade de 2l
  • 1 fervedor de 12cm com capacidade de 2l

Outras características interessantes: as panelas são antiaderentes, as tampas são feitas em vidro temperado e o material do qual são feitas é alumínio. 

Kit de panelas (com 10).
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Protetor solar de toque seco

Quem é bem conectado às redes sociais com certeza sentiu o aumento de pessoas que tiravam um momento do dia para fazer skincare ou falar sobre o assunto. Bom, confesso que fui influenciada e comecei a pensar melhor nos cuidados da minha pele.

Mesmo em casa e trabalhando apenas em home office, eu senti a necessidade de proteger a minha pele. Eu já havia ouvido falar que a luz do celular e do computador é prejudicial e, ao longo do tempo, ela causa pequenas manchas no rosto. Fui ler mais sobre o assunto e encontrei uma reportagem da revista Marie Claire, que conta como os raios de luz desses aparelhos podem acelerar o envelhecimento da pele. 

Então, decidi comprar o protetor solar de toque seco da linha Solar Expertise da L’Óreal e, de cara, já posso falar que adorei a experiência. Além de ter um preço interessante (mais acessível que outras marcas), eu gostei muito de como ele deixa a pele bem sequinha e nada oleosa – detalhe: a minha pele fica facilmente com espinhas e oleosidade com cosméticos. 

Desde que eu comecei a usar, em agosto, nunca tive espinhas e sinto que a minha pele ficou bastante macia e hidratada apenas utilizando o protetor. Sem dúvidas, ele é o único produto que eu uso como rotina de cuidado de pele. 

Além de ser um protetor solar de toque seco e ter textura aveludada, a marca também promete outros benefícios, como o controle e redução do brilho da pele, proteção extremamente alta, combate aos raios UVA e UVB, facilidade ao espalhar e resistência à água. 

Eu optei pelo fator 60, o que significa que ele protege a pele por 60 vezes mais tempo, quando comparado a não utilizar nenhum tipo de proteção – esse tempo varia de acordo com o tipo de pele. 

Protetor solar L'Oreal.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Fones de ouvido

Devo dizer que o meu fone é o meu grande xodó! Eu comprei ele logo no início da quarentena, para me ajudar a focar no trabalho e poder ouvir as minhas músicas e podcasts, já que o meu anterior havia estragado.

A verdade é que ninguém gosta de ficar sem fone e, portanto, eu juntei o útil ao agradável e comprei este modelo Sony MDR, que já queria há muito tempo. 

O fio dele é bem resistente e com acabamento mais grosso, mas sem que ele perca a flexibilidade. Além disso, a parte do headphone é dobrável, o que facilita na hora de guardar o acessório em qualquer lugar. 

Também contém almofadas macias, então, se assim como eu você usa óculos, pode ficar tranquilo, pois não incomoda! O modelo não tem microfone, mas isso não é um problema, já que posso utilizar o do notebook ou celular, sem quaisquer interferências. 

O som é muito bem balanceado, a altura que o fone alcança também é super satisfatória, sem que saia algo estridente e que incomode os ouvidos. 

Fones de ouvido.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Relógio digital

Por último, mas não menos favorito, o meu relógio Casio digital no modelo vintage! Já fazia tempo que eu estava de olho nele e, com a chegada da  pandemia, eu optei por comprar um. Foi uma ótima aquisição, porque além de ser super moderninho, ele ainda oferece boas funcionalidades. 

Para quem cansou do despertador do celular ou sempre acorda assustado com o som, o relógio Casio é uma ótima alternativa. Você pode acionar o alarme e ser acordado por uma sequência de “bip bip bip” bem sutil – tão sutil que já houve momentos em que não consegui acordar (hehe). 

Para quem gosta de trabalhar com a técnica Pomodoro (foca durante 25min e pausa por 5min), ele será um grande aliado, já que oferece a opção de marcar até 30 minutos. E é super fácil, não tem segredo. No manual, você encontra detalhado o passo a passo de como fazer isso.

Outra opção que achei muito bacana foi o ajuste da pulseira. Há modelos de relógio que você precisa ir até uma relojoaria para que eles diminuam alguns gomos, não é mesmo? O relógio Casio permite que você faça isso na sua casa e tudo o que você precisa é de uma pequena chave de fendas ou qualquer outro material mais forte que possa ajudar a destravar a trava de ajuste. 

O meu relógio Casio é na cor prata, pois acredito que é um tom perfeito para o dia a dia e combina com outros acessórios na mesma tonalidade, que são os meus favoritos. Apesar de ser um item pequenino, ele dá um toque super descoladinho ao seu visual. Eu indico!

Relógio digital Casio.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

As escolhas da Analu

Grande Sertão Veredas

Vou confessar uma coisa para vocês: eu tenho medo de clássicos. Tenho medo de livros difíceis, tenho medo de não entender ou não gostar daquela obra que todo mundo acha sensacional. 

Mas eu também tenho medo de uma porção de outras coisas e aprendi que, às vezes, a gente tem que ir com medo mesmo. Foi assim que um dos pontos altos do meu ano certamente foi deixar o medo de lado e encarar a leitura de Guimarães Rosa. 

Grande Sertão Veredas é indiscutivelmente um dos maiores clássicos da literatura produzida em língua portuguesa e é um privilégio incrível saber que podemos lê-lo em sua língua original, com um tom tão próprio e uma linguagem oral tão bem conduzida pelo autor.

A história é um longo diálogo em que só uma pessoa fala. Sim. Riobaldo está contando sua história para um moço da cidade, que, em meio à verborragia do primeiro, pouca chance tem de intervir. Só sabemos que ele intervém de vez em quando, quando o próprio Riobaldo reitera suas perguntas antes de respondê-las. 

Em meio a tanta falação, ele nos apresenta o sertão, filosofa sobre a vida, relata as desventuras das trajetórias dos jagunços e, é claro, versa lindamente sobre sua inusitada e equívoca paixão pelo amigo Diadorim. 

Após terminar a leitura, tive certeza de poucas coisas: uma delas, sempre emocionante, de que a literatura é um presente e que eu não seria nada sem ela. A outra, de que por mais que eu escreva ou fale o mesmo tanto que Riobaldo, nunca vou conseguir colocar em palavras a grandeza deste livro. E a terceira: que, de fato, o que a vida quer da gente é coragem.

Capa do livro Grande sertão veredas.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Título: Grande Sertão Veredas
Autor: João Guimarães Rosa
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 552
Classificação no Skoob: 4.6/5

Lápis de cor

Quem foi que não inventou alguma moda ou relembrou um passatempo no meio da quarentena? Pois eu me reencontrei com um hobby antigo, o de colorir. Talento eu nunca tive, mas quando a gente é criança a gente não se importa muito com isso e faz mesmo assim, e foi o que eu decidi fazer. 

Passei ilesa ao momento em que os livros de colorir para adultos bombaram. Cheguei a ter vontade, mas quando eu vi as fotos dos livros das pessoas com pinturas sombreadas e instagramáveis, decidi que eu só ia era passar raiva com minhas cores primárias escapando, por vezes, dos limites do desenho.

Mas a quarentena, ah, a quarentena, quem não repensou nenhuma escolha ou precisou se virar para encontrar uma nova forma de vencer o tédio não quarentenou direito, e foi assim que eu comprei um livro de colorir e uma caixa de lápis com 60 cores. O sombreado eu ainda não sei fazer, mas até que pintei bastante coisa dentro das linhas e me diverti com todas essas opções de tons. 

Aproveitei para aprender também a ser mais abstrata: como uma boa criança que acha que o mundo precisa estar dentro de uma caixinha e fazer sentido, nunca pensei na possibilidade de pintar folhas de árvore de qualquer outra cor senão verde. Mas um livro com mais de 60 páginas de árvores precisava me ensinar, também, esta lição: se eu não me dispusesse a me divertir mais, os meus lápis verdes acabariam em uma semana e o livro ficaria bem monótono. 

Comecei devagar, pintando uma árvore de laranja e amarelo e fazendo de conta que era outono, mas fiquei feliz mesmo quando pintei uma inteirinha de rosa! Nada como uma caixa de lápis de cor para nos ensinar a ver mais cores na vida.

Conjunto de lápis de cor.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Memórias póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro

Desde que a editora Antofágica apareceu no mercado com suas belíssimas edições de clássicos, eu fiquei encantada – mas ainda não tinha comprado nenhum livro dela, até que neste final de ano ganhei de presente, de pessoas diferentes, os dois livros do Machado de Assis publicados pela editora. 

Ganhei primeiro o Memórias Póstumas, e, ao abrir a caixa, eu chorei. Toda literatura é arte, mesmo escrita num guardanapo, mas existem edições que realmente fazem com que o objeto do livro seja uma grande obra por si só, e esse é o caso. As ilustrações são de ninguém mais ninguém menos que Cândido Portinari, e cada virada de página é uma emoção diferente. 

Páginas de Memórias póstumas de Brás Cubas.
Memórias Póstumas de Brás Cubas – Editora Antofágica

Curiosamente, eu estava no meio da leitura dessa história, em outra edição que eu tinha, e rapidamente troquei para continuar na nova e foi uma experiência muito doida. Eu, que estava devorando o livro, passei a ler devagar: era muito difícil virar cada página, sempre tão bonita de se olhar. 

Rio da minha cara ao me perceber falando tudo isso e não consigo deixar de me lembrar de Clarice Lispector dizendo que “não era mais uma menina com um livro, era uma mulher com seu amante”. Livros me fascinam, o que posso fazer?

Como se já não bastasse a emoção de ter recebido Brás Cubas, não muito tempo depois chega na minha casa, de presente, Dom Casmurro. Chorei de novo. 

Minha relação com Dom Casmurro é um pouco complicada: odiei o livro quando fui obrigada a ler para a escola, aos 14 anos. Fui cheia de expectativa, quis ler nas férias ainda antes do ano letivo começar e achei muito difícil. Emburrei. Criei ranço de Machado de Assis. 

No segundo ano do ensino médio, entretanto, minha professora de literatura deu uma aula sobre Dom Casmurro e eu saí tão apaixonada pela história que decidi ali que minha filha se chamaria Capitu. 

Minha filha não vai se chamar Capitu, mas quem sabe, futuramente, alguma gata, não é mesmo? Mas vocês não estão aqui para isso. O fato é que, se eu me apaixonei pela história de Dom Casmurro mas tinha odiado a leitura, o que será que eu vou achar deste livro, afinal? 

Descobrirei me (re)encontrando com a obra nesta edição maravilhosa, com ilustrações de Paula Siebra. E vamos, então, à história dos subúrbios!

Pessoa segurando os dois livros: Memórias póstumas... e Dom Casmurro.
Pouco livro bonito é bobagem.

Link para comprar “Memórias Póstumas de Brás Cubas”: Amazon

Link para comprar “Dom Casmurro”: Amazon

This is Us 

É uma verdade universalmente conhecida que existem muitas séries para assistir, socorro. Já perdi a conta de tudo o que tenho vontade de ver e nunca vejo, e demoro séculos para começar alguma coisa que alguém já me indicou quinhentas vezes, mas esse ano eu comecei a assistir This is Us e eu não faço a menor ideia de por que eu não tinha começado antes. (Na verdade, eu faço, são muitas opções e o tempo é curto, blablabla).

This is Us é tudo o que eu adoro: um bom drama familiar eterno, cheio de plot twists, com bastante drama, personagens repletos de camadas, bastante drama, diálogos incríveis (e pouco críveis, confesso) e… eu já falei bastante drama?

Vou parar por aqui porque não posso indicar série dando spoiler, né? Então, só vou soltar o que está na descrição da primeira temporada no Amazon Prime Video: “em This is Us você vai acompanhar a vida de algumas pessoas que fazem aniversário no mesmo dia”. Prepare o balde de pipoca, a caixa de lenços e boa maratona!

Capa da série This is Us.
Jack, Rebecca, Kate, Kevin, Beth e Randall. Imagem: Amazon/Reprodução

Link para assistir no Amazon Prime Video

folklore, da Taylor Swift

Conversando com diversas pessoas no meio da pandemia, descobri que cada um tem uma explicação pessoal pelo motivo da mesma. Sabe aquela coisa que você esperava muito acontecer e de repente veio a quarentena para cancelar? Então. Eu tenho certeza que o motivo da pandemia foi o fato de Taylor Swift ter marcado um show no Brasil. 

Ser fã às vezes é difícil demais e já são anos esperando para ouvir essa mulher cantar ao vivo. Quando ela anunciou o show da turnê Lover no Brasil, não sabia se ficava feliz ou nervosa com o desespero que iria ser conseguir os ingressos. 

Cheguei perto de ter uma úlcera em outubro do ano passado na fatídica madrugada de comprá-los para um grupo inteiro de 10 amigas. Prometi uma tatuagem com uma letra de música da Taylor se tudo desse certo, e deu. Eu estou tatuada, caso vocês estejam se perguntando. E aí veio a pandemia.

O show foi adiado indeterminadamente e eu tenho plena consciência de que esse é um dos menores problemas do mundo em meio a uma pandemia, mas não deixa de ser chato porque a vida também é feita dessas pequenas coisas importantes para a gente. 

No sábado em que seria o show, eu e algumas amigas nos reunimos por videochamada para ouvir e cantar Taylor juntas. Na semana seguinte ela apareceu lançando um álbum novo e folklore salvou a vida dos swifties em 2020. 

Já perdi a conta de quantas vezes ouvi todas as músicas no repeat, e eu sei que quase ninguém compra CD hoje em dia (eu não tenho nem mídia que rode CD em casa), mas sei também que para os fãs um CD é mais que apenas um CD, é um artigo de colecionador – e dá para se sentir vintage enquanto escuta as músicas no Spotify segurando o encarte na mão para acompanhar as letras.

Capa do disco folklore.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Retratos da vida em quarentena 

Este livro eu ainda não li. Aí você pode me perguntar: como assim eu coloquei na minha lista de favoritos do ano um livro que eu ainda não li? E eu te conto: ele está na minha lista porque eu participo dele!!!! Estar publicada em um livro da editora Elefante no meio de mais um monte de gente legal não tem como não ser um favorito do ano, não é mesmo?

Retratos da vida em quarentena nasceu de um concurso literário proposto pelas editoras Dublinense e Elefante, em março de 2020. A proposta era que enviássemos textos de ficção ou não-ficção sobre esse período tão peculiar. 

Era o início da quarentena no Brasil e mal sabíamos nós que aqueles primeiros quinze dias virariam 9 meses (e contando). Apareceu no meu feed do Instagram a chamada para o concurso e eu resolvi brincar de tentar – no mínimo, eu me divertiria no processo, escrevendo, colocando todas as emoções quarentenadas para fora. 

Eu escrevi. Eu mandei. Eu fui selecionada na primeira etapa. Eu fui selecionada na segunda, e é isso, eu fui publicada! O livro tem 19 contos de autores e pegadas diferentes, todos com personagens que estão vivendo a quarentena e passando por ela de maneiras únicas. Alguns textos são mais políticos, outros mais leves, e eles tentam contemplar um pouco do que está sendo passar por 2020. 

No momento em que escrevo isso, o livro está na gráfica e estou ansiosíssima para tê-lo em mãos. Espero que vocês também fiquem!

Capa do livro retratos da vida em quarentena.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Título: Retratos da vida em quarentena
Organização: Julia Dantas
Editora: Elefante / Dublinense
Páginas: 160

As escolhas da Fernanda

Ok, então: acho que tenho que começar alertando sobre o que você vai encontrar nesta seção de melhores do ano. Para te contextuar, no inesperado e atípico 2020, eu ganhei uma enorme alegria chamada Pepper. Uma linda, companheira e muito brincalhona shih tzu. 

Pessoa e sua cachorrinha.
Pets são ótimos companheiros para ser ter em tempos de distanciamento social.

Por isso, muitos dos melhores itens do meu ano são produtos para animais, mais especificamente para cachorros. Ainda filhote, foram vários testes para que eu e Pepper pudéssemos encontrar os melhores artigos que se adaptassem a nossa rotina e fossem bons de verdade. 

Tapetes higiênicos para cachorros

O primeiro e importante item que eu precisei adquirir para receber a Pepper foram os tapetes higiênicos. Isso porque os filhotes fazem muitas necessidades fisiológicas e, para manter a casa organizada, e na medida do possível limpa, é importante treiná-los desde que chegam no ambiente. 

Um tapete higiênico para cachorro que funcionou para a Pepper foi o Supersecão. De ótimo tamanho, fitas adesivas para mantê-lo no lugar (às vezes a cola fica no chão e é necessário passar álcool para retirá-la) e bastante capacidade absorvente, este produto é algo que todo dono de pet precisa ter. 

Tapetes higiênicos Supersecão.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Ração para cachorros

Outro e importante produto para receber um pet em casa é a ração. Esse alimento, que será a base nutricional para o crescimento do cachorro, precisa ser bom e de qualidade, principalmente quando filhotes. Por isso, escolher a marca certa é imprescindível. 

A Biofresh foi uma ótima escolha. Além de incluir carnes, frutas, legumes e grãos nobres integrais de verdade, como arroz, aveia e linhaça em sua composição, não possui transgênicos, aromatizantes, corantes e conservantes artificiais, sendo 100% natural. Auxiliando também na saúde oral prolongada do pet, possui um tipo específico para cada porte. 

Para a Pepper, o escolhido foi a Biofresh: ração para filhotes de cachorro de raças pequenas e mini.

Ração para filhotes Biofresh.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Fones de ouvido sem fio

Nem só de presentes para pets vivem as pessoas, não é mesmo? Por isso, resolvi colocar na minha lista dos melhores de 2020 um produto que eu investi para mim. 

Durante a pandemia, o home office foi uma realidade e, pensando em itens para garantir um melhor desempenho no trabalho, eu comprei um fone sem fio. 

Esse tipo de aparelho auxilia e muito a organização do ambiente, já que não traz fios a mais para ficar no meio do caminho. Além disso, é possível uma melhor locomoção, já que permitem uma distância de até cinco metros da fonte. 

Como eu queria testar como funcionavam esses aparelhos, preferi investir em um modelo mais barato e, se me adaptasse, procuraria outros melhores. Os fones de ouvido i11 Tws possuem um design muito parecido com os AirPods da Apple, porém a semelhança para por aí.

A bateria não é duradoura e o microfone apresenta um som não muito claro e um pouco distorcido – não indico para as videoconferências. O alto-falante em si não é ruim, pelo que se pode esperar do preço, e para se distrair por algumas horas escutando sua música favorita, ele faz o trabalho. 

Com a base carregadora podendo dar até 4 cargas completas, o tempo de reprodução das músicas fica em torno de 2 a 3 horas. Em standby, ele aguenta até 6 horas. Possui  Bluetooth versão 5.0 com frequência de 2.4GHz. 

Fones de ouvido sem fio.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

As escolhas do Bernardo

The New Abnormal, do The Strokes

Em 2017, eu fui em um show dos Strokes no Brasil. Na ocasião, eles fizeram uma pequena tour pela América do Sul, após quase um ano sem tocarem juntos. Estavam completamente fora de forma, demoravam entre uma música e outra e faziam piadas sem sentido para as mais de 70 mil pessoas presentes, que eram banhadas pela chuva paulista de março. 

Esse foi um retrato do longo período que passaram desalinhados de si mesmos e do público. Por quase uma década, a banda investiu em decisões criativas impopulares (como o icônico tecnobrega de One Way Trigger) e, por mais autêntico que isso seja, acabaram se afastando do interesse dos fãs.

Para fazer as pazes com tudo e todos, foi preciso apostar em uma linha de composições mais coesas e que conversassem entre si, revisitando fórmulas que já haviam funcionado, com algumas atualizações simples.

O resultado foi The New Abnormal, lançado no início de 2020. Um disco honesto, que tem todos os elementos pelos quais ficaram conhecidos, porém, agora soando quase como algo vintage, e não mais como tiozões tentando parecer modernos.

A troca de produtor também foi muito importante para isso. O escolhido foi o renomado Rick Rubin, que já esteve por trás de discos de Tom Petty, Red Hot Chili Peppers, Johnny Cash e Metallica, e soube puxar as rédeas e exprimir o melhor que podiam oferecer.

“Bad Decisions”, o primeiro single do álbum, é uma prova cabal. Embalada pelo sample de “Dancing With Myself”, do Generation X, a letra de Julian Casablancas ironiza o período de “más decisões criativas” tomadas pela banda, enquanto o público pedia que soassem como os primeiros álbuns. 

A atmosfera de Nova York, cidade de origem dos Strokes, também marca presença. Basta observar canções como “Brooklyn Bridge to Chorus” e “Ode to the Mets”, a obra de Jean-Michel Basquiat que estampa a capa, ou as influências de The Velvet Underground, Ramones e Television, que permanecem desde o primeiro disco.

Entre as outras canções notáveis, podemos citar a inventiva “At the Door”, construída a partir de sons de sintetizadores, e “Not The Same Anymore”, que tem os melhores riffs de todo o álbum. Ambas abordam o recente divórcio de Casablancas e trazem linhas vocais incríveis.

The New Abnormal é um disco excelente, e serve para os fãs tanto como uma celebração à toda a sua obra, como a porta de entrada para quem ainda não conhece a banda.

Capa do disco The new abnormal.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Ficha técnica
Lançamento: 2020
Gravadora: Cult, RCA
Produtor: Rick Rubin
Disco simples – Importado

Lista de faixas
Lado A
1. The Adults Are Talking   5:09
2. Selfless   3:42
3. Brooklyn Bridge to Chorus   3:55
4. Bad Decisions   4:53
5. Eternal Summer   6:15

Lado B
6. At the Door   5:10
7. Why Are Sundays So Depressing    4:35
8. Not the Same Anymore   5:37
9. Ode to the Mets   5:51

Sawayama, de Rina Sawayama

Se você tiver algum familiar passando pela pré-adolescência ou adolescência, pratique o exercício de ouvir uma playlist dele. As chances das músicas não terem absolutamente nada a ver entre si são altíssimas.

Isso acontece graças à forma de consumir música que os serviços de streaming proporcionam. Até 10 anos atrás, era preciso conhecer um artista e comprar um CD ou baixar arquivos em mp3 para ter acesso à sua música. Hoje, com dois cliques em uma playlist, todos têm acesso a acervos de milhões de faixas em poucos segundos, mesmo que elas não se pareçam entre si.

E é aí que vem o pulo do gato: se uma playlist pode concentrar canções de diversos gêneros, por que um álbum não pode soar da mesma forma? Foi isso que Rina Sawayama propôs em seu debut, Sawayama, de 2020.

A musicista nipo-britânica gravou um álbum voltado para o novo público, que não depende do gênero musical para consumir as músicas de um artista, e ao mesmo tempo celebra todas as suas influências.

Entre as faixas, você encontra desde “XS”, com vocais à la Britney Spears e riffs de guitarra, Comme the Garçons” e seu pop-disco nostálgico mesclado a música eletrônica e “Akasaka Sad”, uma mistura de glitch e música japonesa.

Em “Paradisin”, o beat, que parece um vídeo-game 32-bits, é coroado com um solo de saxofone, e em “Bad Friend”, a cantora se utiliza de influências do R&B e do synthpop americano. Rina se arrisca, inclusive, a resgatar o nu-metal dos anos 2000 na canção “STFU!” – o que, por incrível que pareça, funciona muito bem.

A grande ironia é que, mesmo atirando para inúmeros lados, Sawayama soa conciso e equilibrado. Rina consegue imprimir sua identidade em cada canção, e é justamente isso que faz desse álbum uma grande pérola.

É um dos maiores destaques musicais do ano por antecipar tendências da próxima década. Pode ser ouvido de cabo a rabo, como uma obra, e ao mesmo tempo, cada música pode estar em uma playlist diferente, agradando a todos os gostos. 

Capa do disco Sawayama.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Ficha técnica
Lançamento: 2020
Gravadora: Dirty Hit, Avex Trax
Produtores: Clarence Clarity, Chris Lyon, Valley Girl, Bram Inscore, Danny L Harle, Rina Sawayama, Jonathan Gilmore, Kyle Shearer, BloodPop

Lista de faixas
Lado A
1. Dynasty   3:08
2. XS   3:21
3. STFU!   3:23
4. Comme des Garçons (Like the Boys)   3:01
5. Akasaka Sad   3:02
6. Paradisin’   3:06
7. Love Me 4 Me    3:12
8. Bad Friend   3:28
9. Fuck This World (Interlude)   2:45
10. Who’s Gonna Save U Now?   3:21
11. Tokyo Love Hotel   4:27
12. Chosen Family   4:08
13. Snakeskin   3:12

Mid90s

Na minha biografia aqui no site, eu revelo meu amor por filmes coming-of-age. E um dos melhores lançamentos do gênero nos últimos anos é Mid90s

Como o nome sugere, é ambientado durante a década de 1990. O protagonista é Stevie, um menino de 13 anos com uma família desestruturada que tenta se enturmar com um grupo de skatistas mais velhos.

Enquanto aprende a fazer suas primeiras manobras, Steve tem suas primeiras experiências com drogas, relacionamentos e desilusões. 

Escrito e dirigido por Jonah Hill, Mid90s narra a busca por identidade e aceitação que todos passamos e o processo de descobrimento da adolescência. É artístico, divertido e honesto. 

Capa do filme Mid90s.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link do filme no Amazon Prime Video

Título: Mid90s
Diretor: Jonah Hill
Produtora: A24
Ano: 2018
Classificação no Rotten Tomatoes: 80%

Kit de cuecas boxer

Essa foi uma das minhas melhores compras na Black Friday. Estão na minha lista de melhores do ano, já que me serviram muito bem, são confortáveis e o precinho foi bastante camarada. Recomendo!

PS: vocês são do time das roupas de baixo com costura ou sem costura? Eu prefiro com, mas isso costuma gerar discussões entre mim e meus amigos. Deixe sua opinião nos comentários!

Kit de cuecas (com 6).
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Fabricante: Duomo
Material: 95% algodão e 5% elastano
Cores: variadas
Dimensões da embalagem: 8 x 0.5 x 16 cm; 180 g

Toca-discos

No final do ano passado, meu toca-discos “vintage” modelo Philco-Hitachi AS-700 acabou me deixando. Foram muitas rotações juntos, e posso dizer que esse guerreiro, que devia ter por volta dos 30 anos de idade, combateu o bom combate.

Me sobraram, desse aparelho antigo, o receiver, com equalizador, rádio e toca-fitas, e as caixas de som. Ou seja, para girar meus discos novamente, eu só precisava de outro prato giratório.

Acabei optando por um modelo curinga, o Audio Technica AT-LP60. Com preço bastante acessível, é um aparelho intermediário com excelente definição de som e ótimo acabamento. Apesar de não apresentar regulagem de peso e anti-skating, esses fatores já são ajustados de fábrica, e para o tipo de usuário que sou, não fizeram falta.

Contém prato antirressonância de alumínio fundido e operação automatizada em duas velocidades (33 ⅓ e 45 RPM). Também possui um pré-amplificador incorporado à saída em nível de linha ou fono, o que o faz compatível com a maioria dos tipos de receivers, caixas de som, amplificadores e placas de áudio.

Para quem está procurando um toca-discos novo, esse é um de excelente qualidade e que me serviu de grande companhia durante 2020. Essa é minha indicação testada e certificada!

Toca-discos audio-technica.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Fabricante: audio-technica
Cores: chumbo e preto
Dimensões da embalagem: 48.26 x 43.18 x 17.78 cm; 3.67 kg

as escolhas do victor matheus

este ano, a pandemia me impediu, muitas vezes, de exercer o meu direito como cidadão capitalista de comprar coisas que eu não precisava ou que eu não queria tanto assim. fiquei em casa tempo suficiente para o Google, inclusive, perceber que eu não saía dela (e me indicar tomar sol!).

sim, há sempre a possibilidade de comprar pela internet, porém como fazer isso sendo um excelente ansioso? ainda não descobri. por outro lado, não adquirir produtos não significa deixar de consumir conteúdos

meus professores de literatura ficarão orgulhosos em saber que, esse ano, fui voraz no contato com a arte. filmes, livros, músicas, peças de teatro online e cursos sobre cinema ocuparam diversas semanas da minha rotina.

é com base nisso que construo a minha lista. sinto muito se não é o que você esperava, mas não falaremos sobre tecnologia ou sobre a nova Alexa. falaremos (majoritariamente) de expressões artísticas – atuais ou não – que acredito, sinceramente, que vocês deveriam conhecer. vamos lá!

O olho mais azul

li este livro em junho e foi um dos absurdos mais encantadores que testemunhei no ano. O olho mais azul, de Toni Morrison, é uma obra de 1970 que, ainda hoje, permanece atual. é profunda e aborda temas como racismo, agressão familiar, preconceito de classe e cultura negra.

claramente, não é uma obra fácil de ser lida. a linguagem não é difícil, porém as pautas levantadas por ela são complicadas de serem digeridas. mesmo assim, Morrison consegue conquistar o leitor em uma narrativa que não é apenas envolvente, como também inteligente e estruturalmente pensada. 

do prefácio ao epílogo, as ideias são amarradas com uma excelência extraordinária. por meio da relação de irmandade entre Claudia – uma das narradoras – e Frieda, conhecemos Pecola Breedlove, e ficamos espantados com a forma como a vida é difícil para uma criança negra – não pode ser, é.

durante os capítulos, uma segunda narradora é intercalada à voz de Claudia, focando a ação completamente em Pecola. isso permite que conheçamos mais ainda a personagem, entendendo as ramificações de seus pensamentos e de seus sentimentos. 

para além de uma história, O olho mais azul é um relato. uma obra obrigatória para quem quer entender e lidar mais com a questão racial existente, principalmente, na cultura ocidental. denunciativo, sim, porém lindo, honesto e capaz de surtir sentimentos que só a literatura explica.

Capa do livro O olho mais azul.
imagem: Amazon/reprodução

link para comprar: Amazon / Americanas.com

Portrait of a lady on fire (Retrato de Uma Jovem em Chamas)

caso você não seja o maior – ou a maior – entusiasta de literatura no mundo, porém ache encantadora a capacidade da arte em trazer, para o corpo, emoções sublimes, Portrait of a lady on fire é um filme que precisa ser visto.

o longa se passa no século 18 e conta a história de Marianne, uma pintora, à qual foi incumbida a missão de produzir uma tela retratando Heloïse, uma mulher prestes a se casar. o problema é que Heloïse não quer ser pintada, de modo que vários outros grandes artistas já falharam na tarefa.

a solução encontrada por Marianne é se aproximar dela e, conforme os dias passam, mais o elo entre as duas se fortalece, até se tornar, enfim, amor. talvez você esteja, neste momento, revirando levemente os olhos e pensando “ah, mais uma história clichê”.

um aviso: não é! Portrait on a lady on fire é, sem dúvidas, um dos filmes mais poéticos de 2019 (sim, esses são os melhores de 2020, mas é que eu só vi ele este ano!). muitas vezes, ele consegue causar arrepios por meio, apenas, do silêncio entre as personagens.

vale a indicação e, se você coleciona filmes, tenho certeza que vai amar contar com esse blu-ray na estante. a própria capa do produto é uma obra de arte!

Capa do blu-ray de Portrait of a lady on fire.
imagem: Amazon/reprodução

link para comprar: Amazon (blu-ray)

Petals for armor

Petals for armor está entre meus álbuns mais ouvidos de 2020. não sou um grande crítico musical como o Bernardo – cuja seleção você deve ter acabado de ler –, porém sei uma coisa ou outra sobre sentimentos.

e, o tempo todo, é isso que o álbum surte. como já comentado pela própria Hayley Williams, Petals for armor é composto de muitas emoções que ela suprimiu durante os anos. raiva, amor, dor, luto e outros sentimentos se misturam entre as faixas do disco e constroem uma obra potente e expressiva.

mais cedo, questionei-me algumas vezes sobre o porquê de ter escolhido colocar esse álbum aqui. acho que sei a resposta, e sinto-me bem o suficiente para imprimi-la: 2020 também foi, para mim, um ano de reconquistar a voz, de entender emoções, de criar e consolidar consciências. 

acredito que Petals for Armor construiu muito disso comigo. suas faixas variavam entre pop, indie e rock, ao mesmo tempo em que eu variava entre cansaço, felicidade, tristeza e outros sentimentos que nem sei como chamar ainda.

vale a pena ter o disco na estante ou pelo menos nos fones de ouvido. representou muito para mim, e ficaria feliz em saber que pode fazer o mesmo por você.

Capa do disco Petals for Armor.
imagem: Amazon/reprodução

link para comprar: Amazon / Americanas.com

Patins quad de rua

eu sei, é um pouco cômico que de arte eu pule para patins quad de rua. no entanto, se você analisar bem minha lista, vai perceber que eu estou, no fundo, falando sobre sentimentalismos e sobre lidar com toda a loucura que esse ano trouxe.

foi já no fim de 2020, por volta de outubro, que eu comprei meu patins quad. fiquei alguns anos namorando modelos e idealizando qual seria a sensação quando, enfim, eu subisse em um. e, só para deixar claro, eu senti muito medo!

porém, com o tempo – e alguma coragem – conseguir dar os primeiros passos e sair dos tombos frequentes para tombos raros. por mais que de forma não profissional, eu encontrei na patinação um momento de estar comigo.

esse ano, com o isolamento social, a nossa própria presença foi, muitas vezes, a única opção. e, claramente, eu me cansei de mim mesmo. sair (de máscara, sim) para patinar se tornou uma terapia fora do consultório. foi divertido, íntimo e fez com que eu me conectasse com mais força às partes que gosto da minha personalidade – como a coragem, a alegria e o apreço pela adrenalina.

indico fortemente que você se arrisque nessa atividade. apenas faça diferente de mim e compre os itens de segurança (como capacete, joelheira e ombreira). cair dói e não estou sendo filosófico. machuca mesmo.

Patins quad de rua.
imagem: Amazon/reprodução

link para comprar: Amazon / Americanas.com (tam. 35)

Cem: O que aprendemos na vida

vou finalizar essa lista da mesma forma que comecei: com um livro. é que gosto da sensação de fechar os ciclos de forma organizada, ao mesmo tempo em que não posso deixar de citar esta obra por uma questão de princípios pessoais. preciso falar sobre Cem: O que aprendemos na vida.

ganhei o título de dia dos namorados e li em menos de trinta minutos, porque não se trata de uma narrativa, mas de páginas ilustradas, cada uma com um número e com uma lição. logo no início da leitura, você consegue estabelecer uma conexão entre os algarismos e as idades de uma pessoa durante a vida.

é aí que Cem começa a ficar cada vez mais potente. a obra nos leva a uma jornada íntima de reflexão, enquanto constrói uma prosa-poética encantadora. as ilustrações tornam toda a experiência ainda mais envolvente, com traços que parecem feitos por giz aquarelável.

não quero ser o cara dos spoilers, mas acho que podemos elucidar melhor os comentários acima com dois excertos do livro. é que, imagine só, que, aos 14 anos, alguém “aprende a ser como todo mundo (e que isso nem sempre é o que você quer)”.

e, aos 50, pode aprender que “existem duas grandes forças na vida: você ainda precisa ser conduzido ou já precisa ser conduzido?”. sim, dá para chorar com frases de até três linhas. se dê esse presente! eu tenho certeza que Cem será encantador, educativo e emocionante.

Capa do livro Cem: o que aprendemos na vida.
imagem: Amazon/reprodução

link para comprar: Amazon / Americanas.com

se você chegou até aqui, obrigado por conferir meu top 5! acho que deu para conhecer um pouco quem é o victor, do que ele gosta e como ele vive a vida, né?! pelo menos na superfície inicial.

tenho outros textos por aqui. alguns falam sobre literatura, enquanto outros discutem decorações para quarto geek. sim, bem parecido com essa lista! ps: espero que você não tenha se incomodado com a falta de maiúsculas. eu particularmente não sou muito adepto dessa regra gramatical na vida íntima.

As escolhas do André Martins

Meu interesse por tecnologia veio, em grande parte, do contato com videogames na adolescência. Um PlayStation e um computador cujas peças não vou lembrar – era daqueles brancos, com a pintura meio encardida – fizeram com que eu me apaixonasse por, basicamente, toda e qualquer inovação tecnológica.

Desde então, venho acompanhando muitas fontes de notícias e conteúdos sobre o assunto, nos mais diversos formatos. Nesse contexto, não há como dizer que 2020 foi um ano parado.

Separei, como melhores do ano, três itens que eu daria de presente para qualquer pessoa (incluindo a mim mesmo) sem pensar duas vezes. Dois deles representam uma união entre hobbies e tecnologia, e o outro é um testamento de que alguns hábitos permanecem conosco por muito tempo.

Nintendo Switch

Nintendo Switch (cinza).
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon / Americanas.com

Este ano ficou marcado pelos lançamentos dos novos (e muito aguardados) PlayStation 5 e Xbox Series X – e Series S, mais básico. No entanto, uma notícia que chamou ainda mais minha atenção foi a chegada oficial do Nintendo Switch às prateleiras do mercado brasileiro, três anos depois de seu lançamento para o mundo.

Em 2020, Sony e Microsoft provaram, mais uma vez, que sabem construir consoles. Os novos aparelhos chegaram com muito poder de processamento e custo-benefício excelente (pelo menos no preço sugerido em dólares), principalmente quando comparamos com preços de computadores com performance equivalente.

Porém, depois de analisar todos os avanços técnicos, restou uma dúvida: onde estão os jogos? O Xbox foi lançado sem nenhum título exclusivo, apenas apostando no Game Pass e na retrocompatibilidade com games de gerações anteriores. O PS5, por outro lado, chegou com Spiderman: Miles Morales, que também vai ser vendido para o PlayStation 4.

Esse é um problema comum em todo lançamento de console. Desenvolvedores de jogos ainda não estão habituados ao hardware e demora um tempo até que surjam grandes títulos. Mesmo assim, sob a perspectiva dos gamers, que querem aproveitar ao máximo o novo aparelho, é uma situação desagradável.

Portanto, enquanto esperamos pela chegada desses games, escolho o Nintendo Switch como a melhor compra de videogame para 2020. Finalmente no Brasil, o console, que pode não ter o melhor hardware, está repleto de jogos exclusivos e representa diversão garantida, sozinho ou com amigos.

Kindle

Kindle 10ª geração.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Meu primeiro contato com um Kindle foi em 2014, quando comprei um modelo Paperwhite. No começo, era estranho pensar que um aparelho tão limitado em funcionalidades poderia ser bem aproveitado. Eu nunca estive tão enganado.

Demorei para entender que o propósito do Kindle era esse mesmo. Para qualquer atividade que não seja ler, ele tem um desempenho travado e lento. Dessa forma, não há como ser distraído por notificações ou se sentir tentado a sair de uma leitura para acessar outro aplicativo. 

Essa “trava” me ajudou muito a começar a ler mais e de forma mais tranquila e concentrada – sem falar na praticidade que é poder carregar livros em viagens sem volume algum na mala, além da bateria que dura um mês e a rapidez para comprar títulos e começar a ler instantaneamente.

Meu Kindle de 2014 continua firme e forte, mas o substituí pelo modelo básico em maio de 2020, que ganhei de aniversário.

Essa é uma das peças de tecnologia que mais me impressionam até hoje, e que eu recomendo a todos que estão procurando dicas para presentear alguém, ou querem experimentar uma nova forma de interagir com leituras. 

Moleskine (caderno)

Caderno preto Moleskine.
Imagem: Amazon/Reprodução

Link para comprar: Amazon

Diante de tantas formas de anotação digital, indo dos blocos de notas do Windows até os programas complexos de organização pessoal, ainda me sinto atraído pela sensação de escrever em papel.

Seja para fazer rabiscos, esboçar ideias e planos para o futuro, ou ainda criar pequenas listas de filmes assistidos ou afazeres, sempre encontro algum motivo para manter um caderno por perto.

Depois da faculdade, também peguei o costume de guardá-los, pois comecei a gostar de revisitar páginas escritas há muitos anos, que quase sempre me traziam sentimentos de nostalgia.

A Moleskine é uma marca italiana que conta com um catálogo extenso de produtos, todos com um acabamento premium e ótima qualidade de papel. Para quem gosta de manter anotações guardadas como uma forma de preservar lembranças, estes cadernos são ótimas opções.

Chegamos ao final da lista de recomendações dos melhores produtos de 2020, de acordo com a equipe de redação do site. Esperamos que as informações sejam úteis durante as pesquisas de presentes e para o começo de 2021.

Deixe nos comentários quais foram os melhores produtos, na sua opinião. Aproveite e confira mais conteúdos dos nossos autores:

Obrigado por nos acompanhar até aqui e boas compras!

André Martins

André Martins

Entusiasta de pautas tecnológicas, dos teclados mecânicos aos bitcoins. Aspirante a programador e acumulador de periféricos de computador.

This Post Has 2 Comments

  1. A internet hoje em dia ajuda muito com informação e leva
    as pessoas a lugares que elas nunca imaginaram, mas
    existem alguns artigos na internet que são pura perda de
    tempo. Posso dizer que seu artigo ajudou muito e também
    é extremamente útil. Obrigado pela informação e
    compartilhada no meu facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top